segunda-feira, 27 de junho de 2011

5º Encontro de Arquivos Científicos

AAB - Associação dos Arquivistas Brasileiros
5º Encontro de Arquivos Científicos
Rio de Janeiro, de 26 a 30 de setembro de 2011
Promoção: Museu de Astronomia e Ciências Afins e Fundação Casa de Rui Barbosa
Chamada para apresentação de trabalhos
O V Encontro de Arquivos Científicos será realizado na Fundação Casa de Rui Barbosa na cidade do Rio de Janeiro, e tem como tema principal:

Políticas de aquisição e preservação de acervos em universidades e instituições de pesquisa
Está aberta a chamada para submissão de trabalhos.
A partir dos temas abaixo, poderão ser enviados trabalhos individuais ou em grupo (até três autores/apresentadores), com o objetivo de discutir e refletir sobre cada tema. Os trabalhos devem ser analíticos e relacionados a cada um dos temas do evento, e devem estar relacionados a um projeto ou estudo de caso em desenvolvimento ou recém concluído.

Estarão disponíveis para a apresentação: computador com acesso à internet, projetor multimídia e microfone. Haverá tradução simultânea para inglês e português.

O resumo deve ter de 200 a 300 palavras, não incluindo o título e as palavras-chave. O resumo deverá ser apresentado em inglês, fonte Times New Roman, tamanho 12, normal e justificado, com espaço entre linhas de 1,5.

Favor enviar o resumo para: arquivos.cientificos@rb.gov.br até 30 de junho de 2011, e incluir um breve currículo do(s) autor(es), com o máximo de 150 palavras e uma bibliografia básica.

Os resultados serão divulgados no website do evento no dia 28 de agosto.
O website do evento estará disponível em breve.

Tema 1 – A formação dos acervos científicos: a aquisição como estratégia de produção e preservação da memória científica
Ementa: As políticas de aquisição de acervos adotadas pelas instituições científicas configuram-se como o conjunto de princípios que norteiam seus programas, projetos e procedimentos pertinentes aos processos de crescimento dos acervos. O quadro envolve a discussão sobre linhas de acervos, políticas de gestão, formas de aquisição (recolhimento, doação ou compra), diretrizes para seleção dos materiais doados, instrumentos reguladores, entre outros aspectos. No entanto, estas políticas institucionais não podem ser desarticuladas da demanda da sociedade no que se refere à construção da memória cientifica da própria sociedade. Este processo de reconhecimento por parte da sociedade e das instituições de custódia dos acervos científicos possibilita a legitimação e institucionalização do que passa a ser identificado como patrimônio científico e, portanto, deve ser preservado.

Tema 2 - Políticas de aquisição e políticas de preservação: o desafio institucional de saber quem, como e por que se define o que deve ser adquirido e preservado.

A compreensão do papel essencial das políticas de aquisição das instituições de custódia dos acervos científicos indica a necessidade cada vez mais premente da articulação com as políticas de preservação institucionais. Esta articulação é possível com o rompimento em relação à abordagem preservacionista clássica. Entendem-se as políticas institucionais de preservação como o conjunto de princípios, escolhas e ações que objetivam, por meio do planejamento institucional e da gestão de recursos humanos, tecnológicos e financeiros específicos, proporcionar durabilidade, permanência e acesso aos acervos de forma contínua e em longo prazo. A partir de uma visão estratégica e de planejamento, as decisões que marcam o que constituirá os acervos científicos das instituições e quais as prioridades, diretrizes e ações que fundamentam esta constituição e respectiva preservação, deixam de ser compreendidas como vinculadas a uma gestão e passam, por meio da transparência e de seu embasamento técnico científico, a vincular-se à própria instituição.

Tema 3 - Pesquisadores, arquivistas e conservadores: o diálogo em busca de políticas e diretrizes e para a preservação do patrimônio científico.

A preservação dos documentos produzidos pelas pesquisas em universidades e instituições de pesquisa representa um desafio para arquivistas, pesquisadores e conservadores. O diálogo entre esses profissionais deve ser incentivado de modo a haver uma compreensão mútua do modus operandis de cada um, visando um amplo estudo sobre a preservação dos arquivos oriundos das pesquisas científicas. O conhecimento da importância e significado dessa produção documental para a instituição produtora, para a própria pesquisa científica e para a história da ciência é fundamental para a constituição de um programa de preservação de acervos que seja viável e eficiente

Tema 4 - Usuários dos arquivos científicos: o papel das instituições de custódia de acervos na mediação entre o direito de acesso e as informações com restrições

As iniciativas para assegurar a aquisição e a preservação dos acervos científicos têm como principal objetivo assegurar o acesso ao patrimônio que é produzido no âmbito privado ou público. Esse patrimônio, resultado das atividades científicas, uma vez, institucionalizado, pode descortinar dialeticamente conflitos quanto à questão de acesso. Muitas vezes os acervos ainda guardam características restritivas ao seu acesso e cabe às instituições de custódia regular sobre a questão. A regulação institucional deve considerar os aspectos legais que contornam as relações com os usuários e ao mesmo tempo deve reconhecer o direito de pesquisa do usuário. A discussão ganha maior impulso quando os acervos científicos encontram-se sob a custódia de instituições públicas, ou quando os acervos são produzidos no cenário público.
Associação dos Arquivistas Brasileiros - AAB
Av. Presidente Vargas, 1733- sala 903 • CEP: 20.210-030 Centro - Rio de Janeiro
Tel/Fax: 55 (21) 2507-2239 / 3852-2541

Fonte: Rede Brasileira de História e Patrimônio Cultural da Saúde (RedeBra HPCS)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.