terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Hipnose: o poder elástico do cérebro

A plasticidade do cérebro e outras possibilidades por meio da prática moderna trazem um novo caminho para o psicólogo e outros profissionais da saúde, com resultados comprovados e eficazes

A hipnose é definida como um estado alterado de consciência ampliada, em que o sujeito permanece acordado todo o tempo, experimentando sensações, sentimentos, talvez tendo imagens, regressões, anestesia, analgesias e outros fenômenos enquanto está nesse estado. Assim, poucas palavras têm o poder de despertar reações tão hipnóticas quanto o próprio termo hipnose. A prática moderna da hipnose se estende atualmente por diversas áreas, como a Medicina, a Odontologia e a Psicologia. Podemos afirmar que a sua utilização se encontra presente em toda história da humanidade. Os acontecimentos chamados hipnóticos fazem parte da vida dos seres humanos continuamente. Todos os dias e a cada instante estamos embutidos nesse chamado “estado alterado de consciência”.
 Algumas pessoas a consideram um embuste ou algo que só serve para fazer com que alguém tenha ações específicas: agir como animais ou provar alimentos picantes. Há quem acredite que cura todos os tipos de patologias e há aqueles que a acham tão perigosa que deveria ser completamente abandonada.
O Dr. Milton Erickson estudou profundamente a hipnose e seus fenômenos durante toda sua vida, demonstrando-a como um fenômeno natural da mente humana, bem como sua existência e efeitos no cotidiano. Uma das suas contribuições para a Psicologia foi o conceito de utilização da realidade  individual do paciente, a terapia naturalista, as diferentes formas de comunicação indireta, a técnica de confusão e de entremear.
Dessa forma, o legado do Dr. Erickson contribuiu para diversas escolas e campos de conhecimento que tratam da relação entre cognição,comportamento e atividade do sistema nervoso em condições normais ou patológicas, como o caso da própria neuropsicologia, que tem caráter multidisciplinar e apoio na Anatomia, Fisiologia, Neurologia, Psicologia, Psiquiatria e Etologia, entre outras ciências. Assim, a questão que fica: seria possível promover a reabilitação neuropsicológica pelo princípio da plasticidade cerebral através das ferramentas de hipnose?
A melhor resposta pode ser descrita pelo próprio Milton Erickson, ele mesmo acometido pela poliomielite e suas consequências que o acompanharam durante a vida. Dr. Erickson, em muitos de seus artigos, livros e seminários didáticos, relatava que usava o próprio transe hipnótico como uma forma de manter um estado adequado, sem dor e, consequentemente, viver melhor. Dessa forma, percebemos a auto-hipnose como uma ferramenta importante nessa intervenção cerebral.

Pesquisas recentes

As pesquisas atuais estão avançando no sentido de aprofundar os conhecimentos sobre os mecanismos de recuperação funcional, bem como sobre os fatores relacionados às variações interindividuais. Novas abordagens quanto aos dados empíricos permitem delinear uma nova visão do sistema nervoso como um órgão dinâmico, constituindo uma unidade funcional com o corpo e o ambiente.
Atualmente, quando se fala em reabilitação neuropsicológica, devemos pensar que existem técnicas de reabilitação que podem atuar em níveis diferentes, como o treino cognitivo que trabalha a restauração da função, as estratégias compensatórias (internas ou externas), que atuam no nível da atividade, e participação social, com o intuito de tornar o indivíduo mais participativo. Além disso, é comum nos programas de reabilitação a utilização de diferentes técnicas com cada tipo de paciente, como atendimento individual e em grupo, psicoterapia para ampliação da percepção e aceitação dos déficits orientação e replanejamento vocacional. O profissional em reabilitação tem de buscar algo que vá ao encontro das necessidades de cada paciente e o contexto biopsicossocial no qual está inserido.
Partindo do pressuposto de que existem diversas técnicas de reabilitação, o interessante é realizar uma discussão sobre o uso da hipnose enquanto ferramenta em reabilitação neuropsicológica, especificamente atuando em neuroplasticidade.
A plasticidade cerebral pode ser definida como uma mudança adaptativa na estrutura e função do sistema nervoso que ocorre em qualquer fase do desenvolvimento, como funções de interação com o meio ambiente interno e externo, ou ainda como resultante de lesões que afetam o ambiente neuronal. Além disso, a plasticidade cerebral constitui-se de um processo dinâmico, em que se relacionam as estruturas e suas funções, proporcionando respostas adaptativas que são impulsionadas por desafios do meio ou alguma lesão, se mantendo ativa, em diferentes graus, durante toda a vida inclusive na velhice.
Os neurocientistas constataram que o grau de neuroplasticidade varia conforme a idade do indivíduo. Como exemplo, durante o desenvolvimento ontogenético, o sistema nervoso é mais plástico. Essa é a fase da vida do indivíduo onde tudo se constrói e se molda de acordo com o genoma e as influências do ambiente. Porém, mesmo durante o desenvolvimento, existe uma fase de maior plasticidade denominada período crítico, na qual o sistema nervoso é mais suscetível às transformações provocadas pelo meio ambiente externo. Após o organismo ultrapassar essa fase e atingir a maturidade, sua capacidade plástica diminui, se modifica, mas não se extingue. Há várias formas de neuroplasticidade, como: regeneração, plasticidade axônica, plasticidade sináptica, plasticidade dendrítica e plasticidade somática.
Para pensar no poder elástico do cérebro e relacionar com a hipnose moderna empregada pelo Dr. Milton Erickson é necessário verificar, dentro da própria vida deste, uma similaridade curativa, onde essa neuroplasticidade desempenhou um papel de reestruturação nele mesmo, como descrito acima. Nessa inter-relação sistêmica, entre corpo e ambiente, podemos estabelecer uma percepção avançada ao ver que Dr. Erickson, por si mesmo, desenvolveu um tipo especial de concentração mental para qualquer movimento mínimo, refazendo mentalmente cada movimento repetidas vezes, de forma a fazer uma nova ligação de aprendizado entre os fatores pensantes da sua subjetividade e a reação física dos movimentos.
A comprovação dessa prática fora descrita nos artigos médicos acadêmicos que ele havia escrito. Outras enfermidades também acompanharam a vida de Erickson, como o daltonismo e a deficiência auditiva, podendo parecer para qualquer pessoa como problemas ou grandes dificuldades para viver. Mas Dr. Erickson descreveu e utilizou destas os seus próprios recursos para desenvolver uma abordagem terapêutica que se tornou reconhecida pela eficácia e elegância de aplicação, utilização e resultados imediatos, além da reabilitação neuropsicológica autoapresentada.

Presente de grego?

A hipnose ericksoniana pode ser vista como um “cavalo de troia”, em que é ofertado um presente disfarçado ao sujeito, no qual este, nessa condição, recebe e se faz elaborar internamente questões e ensaios, como uma espécie de trabalho que nasce de dentro, recuperando neurônios ao gerar a plasticidade cerebral necessária para a reabilitação funcional. Através da própria sugestão (auto-hipnose) ou ao induzir pacientes pelo instrumento da hipnose, podemos criar novas representações subjetivas, novas ressignificações e novas conexões; dessa forma, manter um ambiente interno capaz de promover mudanças ou simplesmente ajudar o sujeito a encontrar recursos internos para auxílio na reabilitação neuropsicológica.
Uma das formas de aplicação da hipnose elaborada pelo Dr. Erickson está na maestria da utilização da linguagem analógica, por comparação, em que as metáforas, alegorias e anedotas faziam um papel desse “cavalo de troia” mencionado anteriormente, um disfarce linguístico na condução do transe hipnótico.
Ao observar a forma de trabalho hipnótico do Dr. Erickson, pode-se perceber a clara intenção de ofertar presentes linguísticos ao inconsciente do sujeito hipnotizado. Quando Erickson contava a um paciente sobre o caso de outro paciente, na verdade sua intenção esperada seria que o próprio paciente fizesse a relação com sua história de vida. Se o relato tivesse uma solução ou alternativa para um problema que estava sendo trabalhado, o paciente encontraria relações com esse fato, se comparando ao mesmo e encontrando na sua própria história recursos internos para enfrentamento da situação problema.
Para ilustrar tal metodologia, podemos citar Rosen (1982), em que o Dr. Erickson utilizava uma passagem de sua própria história, quando criança, com a intenção de estabelecer vínculo com o paciente e permitir que o mesmo falasse de seu problema, com confiança e assertividade necessárias. “É… você sabe, bom… vou iniciar nossa sessão contando um trecho interessante da minha vida… foi assim: …muita gente estava preocupada comigo porque eu já tinha quatro anos de idade e ainda não falava e uma irmãzinha minha, dois anos mais nova, já falava, e continua falando, mas até agora não disse quase nada. E… muitos ficavam aflitos porque eu era um menino de quatro anos que não podia falar… Minha mãe dizia confiante: ‘vai falar quando chegar a hora’” (ROSEN, 1982, p. 67).
Dessa forma, o paciente poderia elaborar o melhor momento para falar com confiança. Como Rosen (1982) menciona, nesse exemplo se destaca a convicção do Dr. Erickson de que se pode confiar que a mente inconsciente terá as respostas certas no momento oportuno. E, se essa história fosse contada a um paciente que começa a experimentar o transe hipnótico, poderia tranquilizá-lo no sentido de que pode aguardar, sem preocupações, até que apareça o impulso para falar algo relevante, ou até que possa revelar, de uma maneira não verbal, as suas mensagens inconscientes.
Ao pensar dessa forma, poderíamos trazer a seguinte questão: “O que aconteceria se fosse dada uma relação metafórica para um paciente em reabilitação neuropsicológica de que outra pessoa conseguiu resultados importantes com determinado pensamento ou atividade?”. Se a metodologia e ferramentas aplicadas pelo Dr. Erickson estiverem certas, a reabilitação neuropsicológica estaria sendo auxiliada pela linguagem e comunicação do psicoterapeuta, favorecendo assim a neuroplasticidade e provável recuperação de um paciente.
Ao tratarmos de conhecimento científico, é necessário enfatizarmos que este pode criar paradigmas, conceitos e visões referentes ao mundo, à maneira como encaramos a nós mesmos, nosso cérebro e as relações externas que nos cercam. A ciência cria modelos teóricos com suas visões sobre como operamos no mundo, desenvolvemos nossa personalidade, construímos nossa subjetividade e o modo como nosso cérebro se desenvolve e se adapta. Tais modelos teóricos estão em constantes mudanças e recriações.
É justamente nesse ponto que se concebe que o legado de Erickson consiste prioritariamente em um presente de grego, na medida em que convida seus interlocutores às transformações profundas não apenas em suas formas de abordagem terapêutica, mas também a uma revisão crítica de todos os momentos e situações onde o conhecimento se constrói.

Papel do terapeuta

Em Psicologia, podemos levar esse conhecimento a novos caminhos, indo além de simples acolhimentos a pacientes com lesões funcionais, mas podendo influenciar positivamente na reconstrução e reabilitação do sujeito atendido.
O papel do psicólogo como profissional deve carregar um arquétipo de curador, em que sua figura traz conforto, aceitação e, principalmente, a esperança de recuperação. Neste momento, fica a importância de esse profissional perceber que o ser humano é constituído pelo princípio do biológico, psicológico e social. Naturalmente, através da constante pesquisa e desenvolvimento de novas técnicas, nós, os psicólogos, podemos agregar mais e ajudar outros profissionais da área médica na recuperação de pacientes com lesões neuropsicológicas.
Quando consideramos a hipnose como instrumento ou simplesmente como uma forma de comunicação, abre-se a escolha para todas as linhas terapêuticas, seja comportamental, humanista, psicanalista ou cognitiva. Partimos do pressuposto de que, para atuar, o psicólogo precisa se comunicar e comunicação é redundância, sempre estamos comunicando algo. A hipnose moderna, termo considerado após Erickson, é uma forma de comunicação elegante, às vezes formalmente, com os olhos fechados em profundo estado alterado de consciência ou simplesmente de forma coloquial, como uma conversa, ao contar uma história ou relatar um fato, pode trazer dentro desse conto uma semente de mudança em reabilitação.
O poder elástico do cérebro, sua plasticidade e outras possibilidades através da hipnose moderna trazem um novo caminho para o psicólogo e outros profissionais da saúde, com resultados comprovados e eficazes. Ignorar esse conhecimento pode significar ignorar as próprias condições do ser humano e do profissional psicólogo, onde a curiosidade por novas descobertas trará novos resultados no futuro.

Alexandre Bortoletto é psicólogo e instrutor da SBPNL – Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística. Atua como psicoterapeuta, hipnoterapeuta e professor de cursos na área de desenvolvimento de competências. Contato: www.alexandrebortoletto.com / email: contact@alexandrebortoletto.com
FONTE: Revista Psique                              Disponível emhttp://psique.uol.com.br/hipnose-o-poder-elastico-do-cerebro/. Acesso em:14 fev. 17

Neurocientista Marco Antonio Prado revela as novidades sobre a doença

Especialista em Alzheimer, o neurocientista brasileiro, radicado no Canadá, Marco Antonio Prado atua em pesquisas para descobrir por que as mudanças moleculares e celulares em doenças neurodegenerativas provocam falhas cognitivas

Brasileiro, radicado no Canadá há anos, o neurocientista, mestre e doutor em Bioquímica e Imunologia Marco Antonio Prado se dedica a pesquisas científicas para compreender como e por que as mudanças moleculares e celulares em doenças neurodegenerativas causam falhas cognitivas, especialmente em doenças como o Alzheimer. Após concluir seu PhD e pós-doutorado em 1994, comandou um laboratório de pesquisas no Brasil até 2008, quando foi recrutado como professor titular da Universidade de Western Ontario e como cientista no Instituto de Pesquisa Robarts.
Prado foi reconhecido como parceiro do Guggenheim pela John Simon Guggenheim Memorial Foundation, em 2004, e recebeu o Prêmio Acadêmico Faculdade da Universidade de Western Ontario (2013-2014). Em colaboração com sua companheira, Vânia Ferreira Prado, ele tem gerado novos camundongos geneticamente modificados para formular déficits neuroquímicos na demência, com foco particular para a doença de Alzheimer.
Esses ratos têm permitido novas descobertas sobre mecanismos de falha cognitiva, que utilizam tecnologia de ponta para avaliar a percepção deles. Uma de suas principais atividades é desenvolver novos tratamentos para a doença de Alzheimer. Entretanto, outro interesse do laboratório de Prado é a extensão da doença de Prion e sua interface com Alzheimer e acidente vascular cerebral.
Ele recebeu apoio financeiro contínuo por 20 anos, a partir do NIH, CIHR, Associação de Alzheimer, Brain Canada, Instituto do Cérebro Weston, CNPq e outras agências em três países (Brasil, Estados Unidos e Canadá), e preparou mais de 30 estudantes de graduação e pós-doutorado, além de ter publicado mais de 130 artigos em revistas científicas de primeira linha, como Neuron, PLoS Biology, PNAS, J. Neuroscience e FASEB J. O neurocientista conta à Psique quais são as principais novidades no que se refere à doença de Alzheimer.
O que se sabe até hoje sobre os mecanismos biológicos envolvidos Na doença de Alzheimer (DA)?
Prado: Existem inúmeros mecanismos que vêm sendo estudados nos últimos anos. Por exemplo, uma proteína conhecida como APP, a qual é normalmente metabolizada no nosso organismo em fragmentos menores. Essa proteína pode um peptídeo (algo como um pedaço da proteína original), que se acumula na doença de Alzheimer. Esse elemento, conhecido como peptídeo amiloide, aumenta bastante no cérebro de pessoas que apresentam DA. Isso, provavelmente, ocorre devido a alterações na produção ou degradação do peptídeo. O amiloide é tóxico para neurônios e se organiza em agregados. Existem evidências de que essa toxicidade causa várias outras alterações bioquímicas, que diminuem a capacidade dos neurônios de se comunicarem uns com os outros. Um grupo de neurônios conhecidos como colinérgicos é afetado e eles param de trabalhar normalmente. Isso parece aumentar ainda mais a formação desses peptídeos amiloides e aumenta a toxicidade desses peptídeos. Outros eventos ocorrem, como alterações em uma proteína conhecida como tau, que regula a capacidade dos neurônios de manterem suas funções. Tudo isso culmina em morte de neurônios específicos e disfunção cognitiva.
Quais as principais alterações bioquímicas conhecidas relacionadas ao Alzheimer?
Prado: Os peptídeos amiloides agregam-se para formar as placas, enquanto que a tau também se agrega e forma emaranhados neurofibrilares. Essas são alterações patológicas. De maneira geral, o enovelamento de proteínas e a capacidade dos neurônios de lidar com o acúmulo de proteínas agregadas estão comprometidos.
Alguns estudos defendem que existe relação entre Alzheimer e diabetes. Quais seriam essas convergências e você acredita que os remédios usados hoje para tratar diabetes podem ser utilizados para combater o Alzheimer?
Prado: Existem evidências epidemiológicas e biológicas de uma relação entre diabetes e DA. Pessoas que apresentam diabetes têm maiores chances de desenvolver DA. Há várias pesquisas testando a possibilidade de que algumas drogas usadas em diabetes possam ser usadas na DA. No entanto, os resultados dessas pesquisas ainda não foram publicados. Cientistas usam evidências para julgar se um tratamento é efetivo ou não. Acreditar ou não é irrelevante no momento, enquanto não tivermos dados pré-clínicos e clínicos bem substanciosos.
Na medida em que o ser humano vive mais, a tendência é a ocorrência mais frequente de demências como o Alzheimer. Em função desse quadro, segundo seus estudos e pesquisas, o que há de mais moderno em termos de descobertas de Novos mecanismos de falha celular e de memória?
Prado: A incapacidade dos neurônios de se comunicarem de maneira apropriada na DA é uma área de pesquisa que começou a ser explorada recentemente. Isso parece ocorrer antes dos neurônios morrerem. A incapacidade deles de lidarem com agregados de proteínas pode ser uma das causas. Quanto à memória, começam a ser reconhecidas também importantes alterações no metabolismo de RNA (ácido ribonucleico), responsável pela produção de proteínas. O problema não é simples e, além disso, é possível que várias alterações diferentes ocorram de maneira simultânea na função de neurônios. Outro aspecto importante é a inflamação no sistema nervoso. Células que são consideradas como suporte no cérebro parecem ter uma importância maior do que imaginávamos anteriormente. Algumas dessas células regulam processos inflamatórios no cérebro, que podem também danificar os neurônios.
Você, ao lado de sua mulher, a bioquímica Vânia Ferreira Prado, havia produzido um grupo de camundongos geneticamente alterados, com o objetivo de mostrar que os roedores não aproveitavam a acetilcolina, um dos mensageiros químicos responsáveis pela transmissão do comando de uma célula nervosa para outra, o que influenciava na memória. Poderia detalhar esse estudo, informar qual foi sua evolução e o que mudou em termos de abordagem para os dias de hoje?
Prado: Em 2006, começamos a produzir animais com déficits parciais na atividade colinérgica em camundongos. Mais recentemente, fomos capazes de produzir déficits mais elaborados exclusivamente em regiões do cérebro que participam da DA. Além disso, agora somos capazes de estudar a memória de camundongos usando tablets, que permitem testes muito similares aos usados em humanos. Finalmente, nossa capacidade de reconhecer alterações moleculares devido ao déficit de acetilcolina melhorou muito. Somos capazes de detectar alterações no genoma, no transcriptoma e no proteoma de forma muito mais detalhada e sofisticada. Outra mudança recente é a nossa capacidade de ativar grupos celulares específicos usando optogenética ou quimogenética. Isso permite entendermos que tipos de neurônios contribuem para os déficits cognitivos na DA.
Na época, você apostava que essa defasagem na liberação da acetilcolina estava associada aos efeitos do Alzheimer sobre a memória. Essa conclusão ainda vale ou os avanços nos estudos indicam outros caminhos?
Prado: Embora não seja o único problema, o déficit colinérgico contribui bastante com os maiores problemas na DA.
Entre as conclusões da pesquisa está, além do déficit de memória espacial, o fato de que a carência de acetilcolina no hipocampo também apresenta alterações em um processo eletrofisiológico chamado potenciação de longa duração, necessário para a formação de vários tipos de memória de longa duração. A indústria farmacêutica desenvolveu remédios para o equilíbrio de acetilcolina no organismo, o que pode ajudar No combate ao Alzheimer?
Prado: Embora alguns medicamentos tenham sido desenvolvidos, eles ainda apresentam muitos efeitos indesejáveis. Além disso, nem todos os pacientes respondem bem a esses medicamentos. Essa é uma área de pesquisa que continua atraindo interesse de indústrias farmacêuticas. O objetivo seria salvar os neurônios que secretam acetilcolina ou mimetizar seus efeitos no cérebro, sem ocasionar problemas em outras partes do organismo.
Existem medicamentos no mercado, como galantamina e rivastagmina, mas os resultados não são tão significativos. A explicação estaria no fato de que no Alzheimer são afetadas as memórias visual, auditiva, de números e de reconhecimento de rostos, além da espacial, e o fato de outras formas de memória sofrerem prejuízos sugere que o nível de outros neurotransmissores também seja alterado, o que não seria corrigido pelos medicamentos que tentam aumentar a concentração de acetilcolina?
Prado: É exatamente isso. Existem outras alterações que também são importantes e a acetilcolina não resolve todos os problemas.
Na doença de Alzheimer, a proteína chamada tau, que regula a capacidade dos neurônios de manterem suas funções, sofre alterações / Foto Shutterstock
Os estudos sobre a relação de acetilcolina com a perda de memória se aplicam para qualquer tipo de demência ou especificamente para o Alzheimer? Aliás, como identificar se um idoso está com Alzheimer ou outra demência?
Prado: Em várias formas de demência a acetilcolina parece estar envolvida. O diagnóstico do tipo de demência tem de ser feito por médicos neurologistas especializados na área. Eles usam uma combinação de testes clínicos e de memória. No entanto, o diagnóstico definitivo depende de avaliação patológica post mortem.
Neurocientistas do Massachusetts General Hospital De Boston, nos Estados Unidos, desenvolveram uma técnica chamada Alzheimer em Petri, uma espécie de Alzheimer artificial. O que acha dessa técnica e se é possível dizer que a medida permite aprofundar as pesquisas sobre a doença e pela busca por novas drogas e tratamentos?
Prado: O que eles fizeram foi produzir neurônios humanos com as mesmas mutações encontradas em famílias que têm uma forma rara de Alzheimer. Esses neurônios em culturas especiais podem ajudar a entender mecanismos biológicos da doença. No entanto, não substituem análises em modelos de animais intactos. Afinal, queremos saber se melhorando aspectos bioquímicos da doença podemos melhorar os déficits de memória também. E isso não pode ser examinado em células ou tecidos.
Muito se fala em fatores de prevenção ao Alzheimer. Em sua avaliação, por meio de sua vasta experiência, é possível prevenir da doença?
Prado: É possível modificar hábitos no nosso dia a dia, o que pode diminuir a chance de desenvolver a DA. Por exemplo, posso dizer que boa alimentação, exercícios físicos, interações sociais e educação são os principais fatores que podem influenciar o desenvolvimento da doença. É claro que os nossos genes também têm um papel importante, e esses não há como mudar.
A idade provoca inevitáveis perdas de neurônios, o que facilita o surgimento do Alzheimer. É possível impedir ou retardar essa perda, além de modificar hábitos?
Prado: Além da necessidade de modificar hábitos não muito saudáveis, a saúde cardiovascular é um importante fator para a prevenção de demência.
Em sua opinião, a neurociência vislumbra uma cura em médio prazo? Estaria nas pesquisas com células-tronco a chave para a descoberta da cura do Alzheimer?
Prado: “Para todo problema complexo existe uma solução simples e ela, geralmente, está errada” (H. L. Mencken). A DA é extremamente complexa. Não existem soluções simples ou pílulas mágicas. Estudar pessoas idosas e animais idosos é muito difícil. Células-tronco podem ajudar a entender mecanismos da doença, ao permitirem gerar neurônios em culturas para estudos bioquímicos. Entretanto, essas células dificilmente podem ser usadas para substituir neurônios. Elas precisariam contatar outros neurônios de forma correta. Essa ideia de que as células-tronco são uma panaceia, ou seja, que podem curar tudo, é danosa.
Para isso não seria necessário substituir os neurônios defeituosos?
Prado: Sim, o que seria impossível.
É correto dizer que as pessoas que sofrem com fatores socioculturais, sendo mais pobres, têm estimulação cerebral menor, pois quase não leem, não vão ao cinema etc., e isso faz com que tenham uma propensão maior a desenvolver a doença? Em resumo, isso demonstra que exercitar o cérebro faz bem?
Prado: Dados epidemiológicos sugerem que a educação é um dos principais fatores que modulam o aparecimento da DA. Ainda não entendemos as razões. Pessoas com mais escolaridade desenvolvem a doença mais tarde. Óbvio que esse é apenas um dos fatores, existem vários outros que contribuem com o risco de desenvolver a DA (genes, hábitos de alimentação, saúde cardiovascular, exercícios físicos, entre outros).
O neurocientista conta que, hoje, existe a possibilidade de se estudar a memória de camundongos usando tablets, que permitem testes similares aos usados em humanos / Foto Shutterstock
Existem casos comprovados de doentes de Alzheimer assintomáticos, ou seja, idosos que tiveram seus cérebros analisados após sua morte e revelaram placas e emaranhados de proteínas que são a marca típica dos estágios avançados da doença, porém sem apresentarem seus sintomas. Como explicar esse fato?
Prado: Sim. Existem pessoas que têm a patologia, mas não apresentaram sintomas cognitivos durante sua vida. Uma das possibilidades é que, além da patologia, alguma forma de neurodegeneração precisa ser associada para o desenvolvimento da doença. Outra possibilidade é que algumas pessoas tenham tipos de genes que ajudam o cérebro a lidar com essas patologias. Sabemos pouco sobre esse processo ainda.
Ultimamente muitos cientistas brasileiros reclamam da falta de recursos para as pesquisas. Você conhece bem os dois lados, pois trocou a UFMG pela University of Western Ontario, devido à falta de condições estruturais. Como avalia a questão e quais as diferenças básicas que encontrou depois da sua mudança?
Prado: Existem excelentes cientistas no Brasil, mas, de maneira geral, a infraestrutura e a previsão de verbas são péssimas. No Canadá, sei do meu orçamento para pesquisas para os próximos cinco anos. Tenho acesso aos últimos tipos de equipamentos. A infraestrutura para a pesquisa científica é muito mais organizada. Além disso, meu principal trabalho é ser pesquisador e treinar alunos de pós-graduação e dar aulas presenciais para a graduação. No Brasil, eu ministrava oito horas/ aula por semana, e no Canadá são 20 horas/aula por ano letivo. Na maior parte das universidades do Brasil, professores têm de lidar com a falta de infraestrutura e um ambiente onde a pesquisa não é valorizada. Por exemplo, o prédio onde eu trabalhava na UFMG, o Instituto de Ciências Biológicas, corria um risco permanente de incêndio. De fato, se o corpo de bombeiros vistoriasse o prédio na época que trabalhávamos lá, não poderia liberá-lo. A infraestrutura elétrica era péssima; novos equipamentos não podiam ser ligados. Acho que em 2007 tivemos um incêndio que assustou todos, mas os bombeiros não foram chamados. É uma irresponsabilidade enorme dos dirigentes e do governo. Não acho que melhorou muito e o problema é similar em outras universidades. Faltam dinheiro e infraestrutura, existe excesso de corporativismo e falta vontade política para melhorar a pesquisa. Não conheço nenhuma universidade séria onde dirigentes universitários são eleitos por alunos, professores e funcionários. Nas melhores universidades os dirigentes são contratados por competência. Enfim, temos ótimos pesquisadores brasileiros, eles são tão bons ou até melhores do que os canadenses ou americanos, mas fazem milagre para produzir ciência. Isso é fruto de um sistema educacional e político que não valoriza a ciência de qualidade.
Você já disse que talvez pudéssemos ter descoberto a cura do Alzheimer se não precisássemos lidar com uma rotina de falta de investimentos no Brasil. Por que, então, essa descoberta ainda não ocorreu em centros nos quais não há dificuldades na obtenção de verba?
Prado: Em nenhum lugar do mundo é fácil obter verbas para pesquisa. No caso da DA, os investimentos são muito aquém do necessário. Mas, certamente, se pesquisadores brasileiros tivessem uma ideia genial hoje para tratar a doença, essa ideia não seria aplicada nos próximos 30 anos por falta de infraestrutura.
Há informações de que nos Estados Unidos gastam-se US$ 200 bilhões ao ano no tratamento de pacientes com Alzheimer. Em contrapartida, gastam-se US$ 500 milhões, em média, em pesquisas que tentam desvendar as causas primárias da doença. Isso quer dizer que mesmo em grandes centros ainda se gasta mal?
Prado: Sim, e gasta-se pouco. Se a sociedade acha que pesquisa é cara, é preciso ver o custo da doença. Você colocou muito bem a pergunta, pois o custo da doença é 400 vezes maior do que o da pesquisa.
FONTERevista Psique                  

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Na corrida contra a demência

Com o aumento da expectativa de vida, chegam também os “males” dos desgastes impostos pelo tempo. A demência, que nos rouba de nós mesmos, talvez seja um dos mais temidos

“Sorte daqueles que não têm de morrer”, diz um provérbio tibetano que volta e meia me vem à cabeça. A frase – ligeiramente irônica, já que a finitude é inevitável – tem como contexto a crença na lei de causas e consequências, segundo a qual teremos de nos haver com as repercussões de nossos atos, intenções e palavras – nesta ou em outras existências. E não porque tenhamos de ser castigados, mas sim porque prevalece a ideia de que nada nos acontece sem que, em algum momento, tenhamos criado as causas para isso. Fazendo uma releitura do ditado oriental, tomo a liberdade de dizer teríamos sorte se não tivéssemos de envelhecer. Esse desfecho não é inevitável, claro, mas a alternativa também não parece nada atraente. Na maioria absoluta, ansiamos pela vida. O problema é que com o aumento dessa expectativa chegam também os “males” dos desgastes impostos pelo tempo. A demência, que nos rouba de nós mesmos, talvez seja um dos mais temidos. 

O mais prevalente desses quadros, é a doença de Alzheimer. A patologia pode ter evoluído concomitantemente com a inteligência humana. Em artigo publicado há algumas semanas no periódico científico bioRxiv, cientistas afirmaram ter encontrado evidências de que há entre 50 mil e 200 mil anos a seleção natural impulsionou mudanças em seis genes envolvidos no desenvolvimento cerebral, o que pode ter contribuído para aumentar a conectividade neuronal, tornando os humanos modernos mais inteligentes à medida que evoluíram de seus ancestrais hominídeos. Essa nova capacidade intelectual, porém, não veio sem custo: os mesmos genes estão implicados no Alzheimer. O geneticista Kun Tang, do Instituto de Ciências Biológicas de Xangai, na China, que liderou a pesquisa, especula que o distúrbio de memória se desenvolveu à medida que cérebros em processo de  envelhecimento lutavam com novas demandas metabólicas impostas pela crescente inteligência. 

Mas essa é só uma parte da história: se a capacidade de aprender e memorizar nos penaliza, é ela também que acena com a possibilidade de afastar a manifestação do Alzheimer, às vezes por vários anos ou até por toda a vida. Nesta edição, o neurocientista David A. Bennett, diretor do Centro Rush da Doença de Alzheimer em Chicago, um dos mais renomados pesquisadores na área, revela uma descoberta surpreendente: pessoas com a mesma condição cerebral podem apresentar estado mental completamente diferente, enquanto uma perde a memória, outra se mostra lúcida e capaz. Ou seja, mais importante do que o estado físico dos tecidos, é o uso que se faz deles, apesar dos danos. 

Para ganhar a corrida contra a demência, duas armas são fundamentais: afeto e exercício intelectual. Apostar no que faz bem, manter pessoas queridas por perto, cultivar relações de intimidade, cuidar de animais e se divertir, movimentar o corpo, passear, falar mais de um idioma e aprender coisas contribui para postergar o surgimento do Alzheimer e diminuir o número de anos que se passa doente no fim da vida. Curiosamente, parece que a prevenção está justamente no que tende a nos tornar mais felizes. Boa leitura! 

Fonte: Scientific American Mente e Cérebro

Riscos reais da pornografia virtual

busca por esse tipo de conteúdo costuma estar associada à violência contra as mulheres, insatisfação com a aparência e dúvidas sobre o valor do relacionamento afetivo estável – o que pode causar prejuízos para as relações da “vida real”

É possível fazer sexo com um computador? Parece que sim. Não no sentido literal, claro, mas é fato que grande número de pessoas tem uma “vida sexual” on-line bastante ativa. E se por um lado a internet se institucionalizou como forma prática de encontrar parceiros – e posteriormente conectar-se a eles “cara a cara”, sem a mediação da rede –, sob muitos aspectos esse meio também oferece respaldo para sintomas psicopatológicos, alguns capazes de prejudicar o próprio internauta e também terceiros. É o que ocorre no caso da pedofilia, que obviamente não está restrita ao mundo virtual, mas é inegável que esse recurso favorece a localização de possíveis vítimas. Pensando em uma situação talvez menos grave, a pessoa pode usar a tecnologia para se esconder, evitando o comprometimento afetivo. Pesquisas recentes sugerem que o excesso de pornografia de forma geral – e pela internet em particular – pode trazer riscos à saúde psíquica. Embora seja hipocrisia atribuir a essa mídia tamanha “responsabilidade”, é indiscutível  que a grande quantidade de material disponível e o aparente conforto do anonimato apresentam facilidades.
A pornografia pela rede é acessível a um custo baixo, o que tornou sua prática um “passatempo popular” e uma das mais lucrativas áreas do comércio eletrônico (e-commerce), movimentando bilhões de dólares em todo o mundo. Uma pesquisa  com estudantes realizada pela psicóloga Chiara Sabina, da Universidade Harrisburg, do Estado da Pensilvânia, revelou que mais de 90% dos homens e 60% das mulheres assistiam a cenas de sexo pela internet antes dos 18 anos. Outro estudo da mesma pesquisadora mostrou que entre pessoas de 40 a 49 anos a taxa de uso tinha menos da metade da frequência. Isso sugere que o consumo de pornografia na internet pode diminuir com a idade – embora seja válido considerar que essa estatística reflete que talvez os mais velhos passem menos horas diante do computador. Outros estudos já haviam mostrado diferenças das atividades sexuais virtuais em relação ao gênero: os homens parecem ser os mais adeptos da pornografia, enquanto as mulheres preferem participar de salas de bate-papo sobre sexo, sugerindo que procuram contextos de interação.
Preço do consumo
Embora a maioria das pessoas que assistem à pornografia pela internet pareça ser apenas apreciadora ocasional, existe uma porcentagem que faz uso abusivo do conteúdo sexual disponível on-line. Em 2008, o pesquisador Alvin Cooper, na época do Centro Marital e da Sexualidade em San Jose, Califórnia, e seus colaboradores realizaram um estudo com mais de 9 mil voluntários que usavam a internet com fins sexuais. Pouco menos da metade deles – a maioria homens casados ou com uma relação estável – dedicava uma hora ou menos por semana a essa atividade. Entre os ocasionais a sites de pornografia e eventuais experiências sexuais on-line estejam participantes da pesquisa, 45% admitiram reservar uma a dez horas por semana; 8% usavam a internet com essa finalidade durante 11 horas ou mais semanalmente; e uma porcentagem pequena, mas significativa, relatou passar mais de 70 horas por semana envolvida nessa prática.

Essas evidências sugerem que o uso muito frequente pode estar associado a efeitos prejudiciais no psiquismo e nos relacionamentos. Alguns especialistas ainda argumentam que a pornografia pela internet pode causar dependência, mas o uso do termo nesse contexto é controvertido.

Nenhum estudo confirma que visitas ocasionais a sites de pornografia e eventuais experiências sexuais on-line estejam associadas a problemas comportamentais – mas há uma linha tênue entre o que pode e o que não pode ser considerado prejudicial. Alguns pesquisadores já investigam se mesmo o uso esporádico desse recurso pode causar efeitos negativos ao relacionamento, como tensão entre os parceiros e condutas agressivas contra as mulheres. Pesquisas mostraram associações entre quantidade de exposição à pornografia e aprovação de atitudes como dominar a parceira com violência no momento da relação. Essas vinculações são mais fortes em homens que assistem à pornografia violenta e já têm tendência à impulsividade e ao sadismo.

Outras descobertas aproximam o uso frequente da pornografia a atitudes como atribuir culpa às vítimas de abuso sexual, justificando as ações de perpetradores sexuais e reduzindo a violência do estupro. O interesse desmedido por pornografia geralmente é acompanhado de crueldade contra as mulheres, insatisfação com a aparência e o desempenho sexual do parceiro e dúvidas sobre o valor do relacionamento afetivo estável. Essas atitudes costumam levar à desvalorização da figura feminina e, em alguns casos, podem estar associadas à violência doméstica.

Ainda assim, será possível concluir que assistir à pornografia provoca crenças e atitudes misóginas? A maioria dos estudos mostra apenas uma associação estatística entre o uso da pornografia  e essas características, e não a relação direta entre interesse por esse tipo de conteúdo e desenvolvimento de comportamentos específicos. Por exemplo, embora o hábito frequente de ver pornografia possa realmente provocar atos violentos contra as mulheres, talvez a violência já praticada contra elas possa, por sua vez, induzir ao interesse por pornografia. Além disso, é preciso levar em conta características de personalidade de determinados homens (entre elas imaturidade psicológica e impulsividade) e fatores culturais que favorecem tanto a busca por material pornográfico quanto a inclinação a praticar maus-tratos contra mulheres.

Os pesquisadores também perguntaram às parceiras de frequentadores assíduos de sites de sexo como elas se sentiam em relação aos hábitos deles. A psicóloga Ana Bridges, da Universidade do Arkansas, e seus colegas descobriram que muitas se sentiam ansiosas e desaprovavam a atitude do companheiro. Do total, 42% afirmaram que os parceiros eram homens bastante inseguros; 39% disseram que o hábito produzia efeito negativo no relacionamento; e 32% admitiram que, em períodos em que os homens se voltavam mais à atividade, o relacionamento sexual era claramente prejudicado.

Forma de dependência

Mesmo que a pornografia seja prejudicial aos usuários e em alguns casos a seus parceiros, não é consenso que ela cause dependência. Cientistas discutem a adequação do termo para comportamentos compulsivos como jogar, fazer compras, usar a internet, fazer sexo e assistir à pornografia pela internet. Os que definem esses comportamentos como dependência argumentam que algumas ações exageradas compartilham características centrais com a adição de drogas e álcool, que incluem extrema tolerância e uso continuado, apesar dos efeitos negativos que provocam.

Já os opositores contra-atacam dizendo que, embora as pessoas possam praticar certas atividades em excesso com consequências danosas à própria vida, elas raramente desenvolvem tolerância ou sintomas claros caso reduzam a prática (como no caso da droga) – duas marcas registradas da dependência.

Fonte: Scientific American Mente e Cérebro
0,2 GB (1%) de 15 GB usados
Última atividade da conta: 28 de jun
Detalhes

terça-feira, 28 de junho de 2016

O mal da internet

Aproveitando a rapidez da comunicação e escorados no anonimato, haters e trolls proliferam cada vez mais seus atos de crueldade na internet, provocando cyberbullying, com consequências psicológicas dramáticas.

Shutterstock

Se uma pessoa posta uma foto ou um comentário em uma rede social e dez pessoas compartilham para outras dez, já seriam 100 pessoas; se compartilhassem cada uma delas para outras dez, seriam 1.000 pessoas; e 10.000, 100.000, 1.000.000 e assim por diante, se cada pessoa que compartilha compartilhasse para outras dez pessoas. E esse é um resultado que pode acontecer em poucas horas.
A internet, com seus blogs, redes sociais, sites de relacionamento, lojas virtuais, moeda própria etc. é um campo totalmente novo para aqueles que nasceram antes da última década, quando computadores e celulares computadores não se faziam acessíveis, ainda engatinhavam em sua tecnologia, longe de se mostrarem viáveis para utilização de massa. E, sendo assim, essa nova forma de comunicação surge com um paradigma muito diferente, e os padrões de quem viveu os velhos tempos se perdem no contexto de uma velocidade de comunicação extremamente rápida, como acontece na internet.
Outra diferença importante do contexto virtual é que nos velhos tempos a realidade objetiva e a realidade psíquica interagiam diretamente nas relações, ou seja, havia a garantia de que uma pessoa real interagia com outra pessoa real. Na internet não é necessariamente assim.

Fonte: Revista Psique